quarta-feira, 24 de novembro de 2010

As Meninas - Questões


QUESTÕES PARA REFLETIR AS MENINAS  de Lygia Fagundes Telles

01. Sobre o romance As Meninas de Lygia Fagundes Telles é correto afirmar:
(   ) O tempo da narrativa acontece através do entrecruzar da memória, da evocação do passado, da mistura com algumas ações no presente.
(  ) A obra mostra um mundo em que os ideais de esquerda tornam-se a única alternativa para enfrentar a dureza do regime e explicar o mundo desordenado.
(  ) O pensionato no qual se desenrola a ação é um tipo de oásis dentro de um mundo desorganizado, caótico e extremamente ameaçador e consegue impedir qualquer intromissão do mundo externo.
(   ) Toda a ação se passa no âmbito da memória, enquanto as meninas resolvem o passado e evocam suas experiências em busca de auto-conhecimento.
(   ) O foco narrativo é cambiante: ele se desloca constantemente e inesperadamente para o fluxo de consciência das três protagonistas

02. Sobre a personagem Lorena Vaz Leme só não se pode afirmar:
01) Demonstra cultura e educação esmerada, onde se fundem harmoniosamente o erudito e o popular.
02) Assistiu impotente à derrocada da própria família e evoca freqüentemente esse passado
03) Lorena tenta equilibrar-se fechando-se em um mundo somente seu dentro do pensionato
04) o amor impossível pelo médico mais velho colocam-na em freqüente conflito com o mundo exterior.
05) Demonstra sentimentos de superioridade e concretiza este sentimento no distanciamento das outras duas companheiras

03. Sobre Lia de Melo Shultz só não se pode afirmar:
01) veste-se mal, usa alpargatas, não gosta muito de banho, não cuida da aparência.
02) Veio da Bahia para fugir da mãe superprotetora e do pai com um passado misterioso de ex-oficial nazista.
03) Seu equilíbrio repousa sobre dois referenciais: em seu engajamento político e na segurança que encontra no amor de Miguel.
04) Dedica todo seu tempo à reivindicação política, fato que a torna frágil nas relações pessoais e insegura na sua sexualidade pouco explorada.
05) Estuda Ciências Sociais e participa do foco de agitações estudantis, onde se envolve com um grupo militante da esquerda

04. Sobre Ana Clara Conceição só não se pode afirmar:

01) Apresenta temperamento problemático e personalidade inconsistente
02) Traumatizada, não consegue encontrar prazer nos seus relacionamentos amorosos.
03) Não obstante sua vida seja marcada pela pobreza, possui espírito prático e decidido e assim planeja casar-se com um homem rico.
04) Sob o efeito das drogas, suas evocações são basicamente sinestésicas: ruídos, cheiros, etc
05) Filha de pai desconhecido, amargou uma infância carente, junto a uma mãe prostituída e constantemente machucada pelos sucessivos companheiros

Leia o texto e responda:
- Desde ontem ela não aparece. Telefonou dizendo que está na chácara do noivo.
- Noivo. A senhora me desculpe, Madre Alix, mas Ana é o produto desta nossa bela sociedade, tem milhares de Anas por aí, algumas agüentando a curtição. Outras se despedaçando. As intenções de socorro e et cetera são as melhores do mundo, não é o inferno que está exorbitando de boas intenções, é esta cidade. Vejo a senhora sair com outras senhoras bondosas dando sopinha aos mendigos. Bons conselhos, cobertores. Eles bebem a sopinha, ouvem os conselhos e vão correndo trocar o cobertorzinho pelo litro de cachaça porque o dia amanheceu mais quente, pra que cobertor? Tudo continua como na véspera com uma noite de demência a mais fornecida pelo donativo. Um padre nosso amigo foi ensinar catecismo à menininha de nove anos que o pai vendeu pro bordel e quase morreu de tanto apanhar do agregado da proprietária. Aprendeu a lição, ô se aprendeu. Caridade individual é romantismo, cheguei a essa conclusão não faz muito tempo. Agora ele funciona com a gente mas dentro de outra perspectiva. Nos esquecemos, nos descuidamos, diz Bela Akmadulina. E tudo caminha ao contrário.
Vou até a garrafa térmica e me sirvo de mais café mas queria um sanduíche. Presunto e queijo. Uma abelha se debate contra a vidraça e de repente seu zunido fica mais importante do que nossa fala. Mas de onde veio essa abelha numa noite dessas? Gostaria de escrever como ela faz mel. E quase me dobro num riso desatinado, era bem doidona a cigarra da fábula com suas cantorias mas a formiga de vassoura na mão não ficava atrás.
- Tinha tanta coisa que lhe dizer, filha. E já nem sei por onde começar. Essa sua política, por exemplo. Me pergunto se você está em segurança.
- Segurança? Mas quem é que está em segurança? Aparentemente a senhora pode parecer muito segura aí na sua redoma mas é bastante inteligente pra perceber do que essa redoma está lhe protegendo. Alguns padres romperam o vidro como aquele de que lhe falei. Por acaso estão em segurança? Não. Nem estão pensando em segurança quando se deitam no colchão sem travesseiro ou quando rezam suas missas num caixote feito altar.
Ela sorriu. Um sorriso triste que me arrependi de provocar.

05. Sobre o texto acima é incorreto afirmar que:
01) Lia apresenta faz uma leitura do mundo como cruel e fragmentado em que as múltiplas misérias são resultado da desorientação em que se encontra o ser humano.
02)  Na ótica da personagem o romantismo religioso e social apenas mascaram a brutalidade da condição humana.
03) O discurso de lia representa sua inabalável crença em suas ideologias reformistas e pretende convencer a religiosa da importância de suas colocações.
04) O discurso sobre a sensação de segurança individual é coerente com o momento histórico que a obra literária representa.
05) A personagem faz referência aos setores da igreja que assumiram posição contrária ao regime.

06. Sobre a divagação da personagem que intercala os discursos diretos, pode-se dizer que:
01) Sua distração indica a pouca importância da política para a personagem
02) O espanto com a aparição da abelha “numa noite dessas” amplia a condição de descrença e insegurança.
03) Sendo escritora, Lia escreve sobre animais e gostaria de dedicar-se às abelhas.
04) Este monólogo interior é estranho ao diálogo entre Lia e Irma Alix em somente atrapalha a compreensão do texto.
05) A referência à fábula da cigarra e da formiga revela a consciência infantil da personagem Lia.

Ai meu Pai. Primavera, eu apaixonada e Lião falando em bolha no pé. [...]
Que idéia usar meias que engrossam os tornozelos, a coitadinha está com patas de elefante. Ainda assim, emagreceu, subversão emagrece.
– Lião, Lião, ando tão apaixonada. Se M.N. não telefonar, me mato.

Estou demais aperreada para ficar ouvindo sentimentos lorenenses, ô! Miguel, como preciso de você. Falo baixo mas devo estar botando fogo pelo nariz.
(TELLES 1998: 13-14)

07. O texto acima
01) Indica o engajamento político das jovens ainda que em nível diferente
02) Aponta para a semelhança de comportamento entre as duas personagens
03) Revela como cada personagem está comprometida com o seus próprios anseios e ideais
04) Indica o altruísmo de ambas as personagens, já que formam uma amizade verdadeira.
05) Denuncia a indiferença e o egoísmo das personagens, que mentem e falseiam a amizade demonstrada.

“Padrão afro. Tem mulher hino e mulher balada”, pensou Lorena tirando o pijama. Sentou-se na borda da banheira e percorreu com as pontas dos dedos a superfície da água. “Eu sou uma balada medieval.” E Ana Clara? E Lia? Que gênero de música eram elas? A única forma de ajudá-las seria oferecer-lhes coisas que não tinham.
dálias mas fazia frio. (TELLES 1998: 59-60)

08. Lorena, ao designar para si a “Balada medieval”:
01) faz referência à religiosidade profunda, marca da personagem.
02) revela o moralismo profundo que a torna amarga e inquisitória
03) indica sua tendência para a idealização e a sua espera amorosa.
04) pretende colocar-se de forma superior às amigas por quem nutre aversão.
05) indica a orientação para a culpa e para o remorso.

7 comentários: